Cuiabá MT, 03 de Dezembro de 2021 - São
 

Cidade
  Mato Grosso
  Brasil
  Sociaedade
  Curiosidade
  Polícia
  Política
  Justiça
  Variedades
  Esporte
  Coluna
  Opinião
  Artigo

Newsletter
Nome:
<

Email:
<
<
<
<
<
<
<

Parcerias
<
<
<
<
<
<
<
<
<

Denúncias
<
<
<
<
<
<
<
<

<
<
<
<
<
<
<
<

<
<
<
<
<
<
<
<

<
<
<
<
<
<
<
<

  Manejo integrado do fogo é potencial aliado na redução de grandes incêndios e na proteção do Cerrado  
  27/10/2021 - 14:44  
 Análises demonstram que o manejo integrado do fogo (MIF) tem contribuído para proteger a biodiversidade nas áreas de maior risco para grandes incêndios.  
Arquivo

 Análises demonstram que o manejo integrado do fogo (MIF) tem contribuído para proteger a biodiversidade nas áreas de maior risco para grandes incêndios.

Localizada no interior de Goiás, no município de Cavalcante, quase na divisa com Tocantins, a Reserva Natural Serra do Tombador começou a adotar o MIF em 2020 para mitigar os impactos de eventuais incêndios. Foto: José Paiva

Usar o próprio fogo como aliado para evitar incêndios. Em uma explicação simples, essa é uma das estratégias usadas no manejo integrado do fogo (MIF), uma abordagem que integra um conjunto de ações de prevenção e combate a incêndios. Na base dessa tática estão pesquisas científicas, cujos resultados trazem importantes subsídios para atividades em campo, como a implantação de aceiros negros e queimas prescritas, usados de forma planejada e programada para diminuir o capim seco que serve de material combustível para que os incêndios se alastrem. Dessa forma, cria-se barreiras naturais para conter o avanço das chamas.

No Cerrado, bioma que ocupa cerca de 23% do território brasileiro e que tem relação histórica com o fogo, áreas onde ações de MIF são aplicadas têm alcançado bons resultados, inclusive em unidades de conservação.

“As queimas prescritas no início da época seca, além de alterar a vegetação e evitar os grandes incêndios, aumentam a biodiversidade e favorecem a produção de frutos e recursos para os animais, em comparação com queimadas naturais”, explica o pesquisador da Universidade de Brasília (UnB) Emerson Vieira, que há 20 anos estuda o impacto do fogo no Cerrado. “Percebemos, com os estudos, que queimas no início da época seca favorecem a produção de frutos, em comparação com queimadas naturais que geralmente ocorrem no auge ou no final da seca, beneficiando também os animais na região. Ter um mosaico de áreas com diferentes históricos de queima possibilita uma maior diversidade regional”, conclui.

Experimento realizado na Estação Ecológica de Itirapina, localizada entre os municípios de Itirapina e Brotas (SP), evidencia como a queima controlada pode funcionar como aliada para a conservação da biodiversidade. “Pudemos observar que a vegetação na área em que foi feita a queima prescrita experimental apresentou melhor regeneração do que a parte onde a técnica não foi aplicada”, aponta a doutora em Ecologia Alessandra Fidelis, responsável pelos estudos sobre a queima experimental em diversas regiões do país.

“Sem um trabalho de prevenção, o fogo proveniente de um incêndio descontrolado devasta todo o banco de sementes e de gemas, não havendo rebrota da vegetação. A queima prescrita consome apenas o que está na superfície, sem prejudicar as raízes e os demais órgão subterrâneos das plantas. A Bulbostylis paradoxa, conhecida como cabelo-de-índio, encontrada na Serra do Tombador, é um exemplo. Ela inicia sua floração em 24 horas após a queima, é impressionante”, afirma.

Pesquisa

As pesquisas científicas são muito importantes para subsidiar o planejamento das queimas prescritas. A partir dos estudos, são analisados o comportamento do fogo, sua intensidade e velocidade, seu efeito sobre os diferentes tipos de vegetação e a fauna, além da capacidade de regeneração dos ambientes atingidos pelo fogo.

“Ainda há necessidade de ajustar o uso do MIF para diferentes ecossistemas e incorporá-lo nos planos de manejo. Mas temos firmes evidências de que o manejo do fogo protege a vegetação e a fauna, além de reduzir custos de combate. Temos que mudar o uso e a concepção do fogo, tratando-o como um aliado e não somente como um vilão”, alerta o membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza (RECN), Braulio Dias, ex-secretário executivo da Convenção da ONU sobre Diversidade Biológica e ex-secretário nacional de Biodiversidade e Florestas do Ministério do Meio Ambiente.

Localizada no interior de Goiás, no município de Cavalcante, quase na divisa com Tocantins, a Reserva Natural Serra do Tombador começou a adotar o MIF em 2020 para mitigar os impactos dos incêndios. Mantida desde 2007 pela Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza e com uma área de 8,7 mil hectares, a unidade de conservação enquadrada na categoria de Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) é rodeada por propriedades rurais que frequentemente usam o fogo para a renovação de pastagens. Sem o MIF, em uma situação de incêndio, a vegetação seca e acumulada, especialmente capim, serve de material combustível para o fogo avançar rapidamente e se alastrar sobre toda a região.

“No Tombador, fazemos estudos e experimentos desde 2013, com o acompanhamento de brigadistas. São áreas em que testamos diferentes épocas e frequências de queima prescrita: a queima anual, áreas que estão sem fogo desde 2011 e queimas bienais no começo, no meio e no fim da estação seca. O que percebemos é que, quando realizamos a queima prescrita com regularidade, o material combustível não se acumula tanto como nas áreas sem fogo, resultando num fogo de menor intensidade e severidade e provavelmente, mais fácil de ser controlado”, conclui Fidelis.

O biólogo e coordenador da Reserva Natural Serra do Tombador, André Zecchin, lembra que em maio e outubro de 2020, três grandes incêndios foram evitados por conta das queimas prescritas e aceiros negros. “Quando falamos em abordagem do MIF, para além das técnicas empregadas, estamos também nos referindo ao intercâmbio de dados e informações com parceiros locais, para saber o que está acontecendo no território, e à realização de pesquisa científica, que gera informação qualificada para a gestão de áreas protegidas”, explica.

A bióloga e professora de Ecologia da Universidade de Brasília (UnB), Isabel Schmidth, acrescenta que as trocas de experiências e boas decisões de manejo já levaram à implementação do MIF, até 2020, em 40 unidades de conservação, 32 terras indígenas e um território quilombola. “Precisamos de mais eventos, relatórios, divulgações para popularizar a informação para que mais pessoas conheçam e entendam a importância do manejo”, alerta.

Já o doutor em Ecologia, Paulo Antas, também membro da RECN, acredita que ainda é preciso ampliar o debate. “Existem experimentos que comprovam que o MIF pode funcionar em determinadas regiões do Cerrado. Porém, não sabemos se em outras regiões, com outros tipos de solo e clima, as técnicas funcionam da mesma maneira. Infelizmente, as pesquisas ocorrem de forma muito mais lenta do que a necessidade, visto os grandes incêndios que vemos acontecer. Precisamos avançar com os estudos de forma mais efetiva.”

Proteção do Cerrado

Até 12 de novembro estão abertas as inscrições para a Chamada Pública 04/2021 para a Conservação da Natureza no Nordeste Goiano, uma parceria da Fundação Grupo Boticário e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (FAPEG) em busca de propostas de soluções para o desenvolvimento socioeconômico do Cerrado, com base na proteção da biodiversidade. O processo traz como desafios tornar a prevenção e o combate aos incêndios mais eficientes, reduzindo impactos à fauna, e agregar valor às cadeias dos produtos nativos da região. As melhores propostas concorrerão a apoios financeiros que, somados, podem chegar a R$ 1 milhão.

As principais técnicas de MIF:

Aceiros

Os aceiros compreendem uma das técnicas de prevenção a incêndios, cuja finalidade é provocar a descontinuidade de material combustível (vegetação seca) e, assim, criar barreiras contra os incêndios. A técnica pode ser empregada por meio do uso do fogo controlado, sendo assim chamado de aceiro negro.

Queimas prescritas

Trata-se do uso do fogo autorizado e controlado para finalidades específicas de manejo, em áreas destinadas à conservação da biodiversidade, para a redução de material combustível ou para formação de mosaicos de áreas queimadas na vegetação, com objetivo de evitar a propagação de incêndios.

Queimas controladas

É uma técnica planejada conjuntamente entre os pequenos produtores rurais e as autoridades locais, normalmente para fins de renovação de pastagem, cujo objetivo é assegurar que o uso do fogo seja realizado de forma controlada, na época certa e com a frequência e intensidade adequadas para evitar os incêndios.

Supressão

Refere-se ao combate do incêndio com objetivo de evitar o alastramento do fogo.

Monitoramento

O monitoramento é crucial para garantir que o MIF seja executado corretamente. Por meio do sensoriamento remoto, é possível monitorar o histórico de áreas atingidas pelo fogo e ter estimativas de intensidade do fogo e acúmulo de material combustível.

Pesquisa

Com o papel de gerar conhecimento e embasar todo o planejamento e execução das atividades de MIF, a pesquisa cumpre importante função na análise ecológica dos diferentes regimes de fogo, avaliando desde o impacto dos incêndios sobre a biodiversidade até a regeneração do material combustível.

Sobre a Fundação Grupo Boticário

Com 30 anos de história, a Fundação Grupo Boticário é uma das principais fundações empresariais do Brasil que atuam para proteger a natureza brasileira. A instituição atua para que a conservação da biodiversidade seja priorizada nos negócios e em políticas públicas e apoia ações que aproximem diferentes atores e mecanismos em busca de soluções para os principais desafios ambientais, sociais e econômicos. Já apoiou cerca de 1.600 iniciativas em todos os biomas no país. Protege duas áreas de Mata Atlântica e Cerrado – os biomas mais ameaçados do Brasil –, somando 11 mil hectares, o equivalente a 70 Parques do Ibirapuera. Com mais de 1,2 milhão de seguidores nas redes sociais, busca também aproximar a natureza do cotidiano das pessoas. A Fundação é fruto da inspiração de Miguel Krigsner, fundador de O Boticário e atual presidente do Conselho de Administração do Grupo Boticário. A instituição foi criada em 1990, dois anos antes da Rio-92 ou Cúpula da Terra, evento que foi um marco para a conservação ambiental mundial.



Fonte: Da Assessoria



Compartilhe essa notícia



Comentários ( 0 )

Notícia sem comentários.
Faça seu comentário agora.
 

Site Lucio Dia e Noiter já teve 1971541 Acessos
Sua empresa ainda não tem site? clique aqui
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<