Cuiabá MT, 21 de Abril de 2019 - São
 

Cidade
  Mato Grosso
  Brasil
  Sociaedade
  Curiosidade
  Polícia
  Política
  Justiça
  Variedades
  Esporte
  Coluna
  Opinião
  Artigo

Newsletter
Nome:
<

Email:
<
<
<
<
<
<
<

Parcerias
<
<
<
<
<
<
<
<
<

Denúncias
<
<
<
<
<
<
<
<

<
<
<
<
<
<
<
<

<
<
<
<
<
<
<
<

<
<
<
<
<
<
<
<

  Motivo do cancelamento das falas de Bolsonaro e ministros em Davos teve várias versões  
  24/01/2019 - 11:58  
 Diante da repercussão negativa tanto na imprensa nacional como internacional, assessores do presidente Jair Bolsonaro buscaram tentar justificar o cancelamento da entrevista coletiva que, segundo a organização do Fórum Econômico Mundial, seria concedida por ele e ministros em Davos, na Suíça. Eles atribuíram a decisão à “agenda extensa” e à “necessidade de o presidente descansar" por causa da cirurgia programada para a próxima segunda-feira (28). O cenário da entrevista estava montado, com placas de identificação indicando a presença do presidente e dos ministros Paulo Guedes (Economia), Sergio Moro (Justiça) e Ernesto Araújo (Relações Exteriores). Depois, houve a informação de que Bolsonaro não participaria. Por fim, foi anunciado o cancelamento. Chegou a circular a informação de que o motivo do cancelamento seria uma irritação do presidente com a insistência da imprensa brasileira em abordá-lo durante deslocamentos pelo fórum para que desse declarações aos jornalistas do Brasil, depois de ele ter concedido entrevistas para dois veículos da imprensa internacional. O ministro Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) negou essa informação, atribuindo o cancelamento à agenda extensa e a proximidade da cirurgia para reversão da colostomia. “A programação está puxada e ele tinha uma reunião com o primeiro-ministro japonês no hotel. Então, decidiu cancelar para que descansasse um pouquinho”, afirmou o ministro. Os mesmos argumentos foram apresentados pela equipe de imprensa que acompanha o presidente em Davos. Um assessor destacou que a “agenda está pesada” e o presidente “opera na segunda-feira e tem de se poupar na medida do possível”. Nos bastidores, a informação era que o presidente queria fazer apenas um pronunciamento e não conceder uma entrevista. E que o cenário montado, com três ministros a seu lado, acabaria levando a perguntas da parte de jornalistas. Com a decisão de Bolsonaro de não participar da conversa com os jornalistas, os ministros também cancelaram a presença. Antes de viajar para Davos, a equipe de Bolsonaro estava preocupada com a possibilidade de as entrevistas no Fórum Econômico Mundial se concentrarem em temas internos, como as investigações envolvendo o senador eleito Flávio Bolsonaro e seu ex-assessor Fabrício Queiroz. Em entrevista à Bloomberg, Bolsonaro acabou comentando o assunto. Disse que, se o seu filho errou, ele teria de pagar pelos erros. O risco, na avaliação de assessores, era que a entrevista desta quarta-feira (23) fosse dominada pelo tema. 
G1

 Diante da repercussão negativa tanto na imprensa nacional como internacional, assessores do presidente Jair Bolsonaro buscaram tentar justificar o cancelamento da entrevista coletiva que, segundo a organização do Fórum Econômico Mundial, seria concedida por ele e ministros em Davos, na Suíça.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
--:--/--:--
 
 
 
 
Eles atribuíram a decisão à “agenda extensa” e à “necessidade de o presidente descansar" por causa da cirurgia programada para a próxima segunda-feira (28).

O cenário da entrevista estava montado, com placas de identificação indicando a presença do presidente e dos ministros Paulo Guedes (Economia), Sergio Moro (Justiça) e Ernesto Araújo (Relações Exteriores).

Depois, houve a informação de que Bolsonaro não participaria. Por fim, foi anunciado o cancelamento.

Chegou a circular a informação de que o motivo do cancelamento seria uma irritação do presidente com a insistência da imprensa brasileira em abordá-lo durante deslocamentos pelo fórum para que desse declarações aos jornalistas do Brasil, depois de ele ter concedido entrevistas para dois veículos da imprensa internacional.

O ministro Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) negou essa informação, atribuindo o cancelamento à agenda extensa e a proximidade da cirurgia para reversão da colostomia.

“A programação está puxada e ele tinha uma reunião com o primeiro-ministro japonês no hotel. Então, decidiu cancelar para que descansasse um pouquinho”, afirmou o ministro.

Os mesmos argumentos foram apresentados pela equipe de imprensa que acompanha o presidente em Davos.

Um assessor destacou que a “agenda está pesada” e o presidente “opera na segunda-feira e tem de se poupar na medida do possível”.

Nos bastidores, a informação era que o presidente queria fazer apenas um pronunciamento e não conceder uma entrevista. E que o cenário montado, com três ministros a seu lado, acabaria levando a perguntas da parte de jornalistas.

Com a decisão de Bolsonaro de não participar da conversa com os jornalistas, os ministros também cancelaram a presença.

 

Antes de viajar para Davos, a equipe de Bolsonaro estava preocupada com a possibilidade de as entrevistas no Fórum Econômico Mundial se concentrarem em temas internos, como as investigações envolvendo o senador eleito Flávio Bolsonaro e seu ex-assessor Fabrício Queiroz.

Em entrevista à Bloomberg, Bolsonaro acabou comentando o assunto. Disse que, se o seu filho errou, ele teria de pagar pelos erros. O risco, na avaliação de assessores, era que a entrevista desta quarta-feira (23) fosse dominada pelo tema.

 



Fonte: Por Valdo Cruz



Compartilhe essa notícia



Comentários ( 0 )

Notícia sem comentários.
Faça seu comentário agora.
 

Site Lucio Dia e Noiter já teve 1142426 Acessos
Sua empresa ainda não tem site? clique aqui
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<