Cuiabá MT, 18 de Agosto de 2017 - São
 

Cidade
  Mato Grosso
  Brasil
  Sociaedade
  Curiosidade
  Polícia
  Política
  Justiça
  Variedades
  Esporte
  Coluna
  Opinião
  Artigo

Newsletter
Nome:
<

Email:
<
<
<
<
<
<
<

Parcerias
<
<
<
<
<
<
<
<
<

Denúncias
<
<
<
<
<
<
<
<

<
<
<
<
<
<
<
<

<
<
<
<
<
<
<
<

<
<
<
<
<
<
<
<

  Secretário afirma que não é possível resolver todos os problemas das rodovias de Mato Grosso, mas que escolhe-se os piores trechos  
  16/04/2017 - 15:08  
 Em entrevistar, Marcelo Duarte pontua que muitas vezes as pessoas confundem um tapa-buracos como uma restauração da rodovia, entretanto ele salienta que o tapa-buracos é apenas um trabalho provisório. 
olhardireto
Secretário afirma que não é possível resolver todos os problemas das rodovias de Mato Grosso, mas que escolhe-se os piores trechos
“Estamos escolhendo as piores”. A colocação é do secretário de Estado de Infraestrutura e Logística, Marcelo Duarte, quanto às obras que estão sendo realizadas de construção e reconstrução de asfalto em rodovias estaduais. Mato Grosso tem uma extensão de 30 mil km de rodovias estaduais, dos quais em torno de 5 mil km apenas estão pavimentados. O Governo do Estado revela ter a meta “ousada” de concluir o atual mandato com 4 mil km asfaltados entre construção e reconstrução.







 







Em entrevista ao Agro Olhar, Marcelo Duarte pontua que muitas vezes as pessoas confundem um tapa-buracos como uma restauração da rodovia, entretanto ele salienta que o tapa-buracos é apenas um trabalho provisório.















Ao ser questionado quanto ao fato de algumas obras terem apresentado problemas, o secretário de Infraestrutura observa que muitos dos projetos são antigos e que já haviam sido entregues, além de haver uma “série de limitações” e considerações sobre a situação das estradas há um tempo e cuja realidade hoje é diferente.







 







“O mais importante é que a medida que esses problemas surgem eles estão sendo corrigidos, O que importa não é se vai dar ou não problema, mas é a maneira como a gente vai encarar esse problema e estamos encarando de frente e resolvendo”, diz Marcelo Duarte.







 







O Governo de Mato Grosso, segundo Duarte, está com a ousada meta de, entre restaurar e construir, fazer 4 mil km nos quatro anos de mandato da atual gestão. Até o momento 1.430 km entre construção e reconstrução já foram feitos.







 







Dos 1.430 km já feitos cerca de 712 km são de reconstrução. “Isso é aproximadamente 10% da malha. Ainda é muito pouco para uma malha que era considerada no início do governo a pior do Brasil. É obvio que não tem como resolver todos os problemas e não vamos resolver, mas a gente está escolhendo os piores, principalmente os casos que era considerados as vergonhas para o Estado, como é o caso da MT-170 na região de Brasnorte que estava trancada pelos produtores quando assumimos a gestão, pois a mesma estava intransitável”.







 







Outro exemplo de rodovia entre as piores e que tiveram prioridades, aponta Marcelo Duarte, foi a MT-130 entre Primavera do Leste e Paranatinga, bem como a MT-344 entre Dom Aquino e Jaciara. “Estas duas também estavam intransitáveis. Assim que você vai resolvendo as que estão piores e necessitam de atenção em caráter de urgência , você vai resolvendo os problemas das demais”.







 







Dos 4 mil km a serem feitos no quatro anos de mandato, que se encerra em 2018, 2,5 mil km são obras de restauração e 1,5 mil km de construção.







 







“Esses 2,5 mil km já estão pontuados e estamos compartilhando com a sociedade, até mesmo para trocar informações e ver se realmente são os que necessitam de uma atenção maior. O conselho do Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab) já até se manifestou quanto a estes 2,5 mil km como os piores”, declara Marcelo Duarte.

 



Fonte: Da Redação - Viviane olhardireto



Compartilhe essa notícia



Comentários ( 0 )

Notícia sem comentários.
Faça seu comentário agora.
 

Site Lucio Dia e Noiter já teve 749252 Acessos
Sua empresa ainda não tem site? clique aqui
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<