Cuiabá MT, 14 de Dezembro de 2018 - São
 

Cidade
  Mato Grosso
  Brasil
  Sociaedade
  Curiosidade
  Polícia
  Política
  Justiça
  Variedades
  Esporte
  Coluna
  Opinião
  Artigo

Newsletter
Nome:
<

Email:
<
<
<
<
<
<
<

Parcerias
<
<
<
<
<
<
<
<
<

Denúncias
<
<
<
<
<
<
<
<

<
<
<
<
<
<
<
<

<
<
<
<
<
<
<
<

<
<
<
<
<
<
<
<

  ELEIÇÃO NO SENADO É DIFERENTE DE MATO GROSSO. TAQUES ACHOU QUE SERIA MOLEZA?  
  04/02/2013 - 16:52  
 O Senador calouro Pedro Taques (PDT/MT) tudo faz crer, resolveu peitar Renan Calheiros na disputa pela presidência do Senado Federal, certamente achando que a eleição ali seria moleza como foi o pleito em que saiu vitorioso aqui em Mato Grosso. 

 

O Senador calouro Pedro Taques (PDT/MT) tudo faz crer, resolveu peitar Renan Calheiros na disputa pela presidência do Senado Federal, certamente achando que a eleição ali seria moleza como foi o pleito em que saiu vitorioso aqui em Mato Grosso.
A tentativa não vingou, e o resultado da disputa foi uma solene surra. Taques conseguiu angariar 18 votos de Senadores importantes, caso específico de Cristovão Buarque, Agripino Maia, e alguns outros que tem peso na mais importante Corte Legislativa do Brasil. Se visto por esse ângulo, temos que admitir que a tentativa de Taques só serviu para alimentar seu ego carente de publicidade, no entanto não foi boa para Mato Grosso, já que ficou provado que não temos no Estado representação política capaz de se impor naquela casa de leis, nossa representação ali esta muito distante dos tempos idos quando Mato Grosso tinha naquela Corte Legislativa a presença de um Filinto Muller, José Fontanilha Fragelli, Marcio Lacerda, Júlio Campos, e outros de porte semelhante, respeitados a nível e âmbito nacional.
 A derrota imposta ao Senador Pedro Taques pelos congressistas que rejeitaram seu nome para presidir o Senado nos próximos dois anos, serviu para mostrar que sua liderança está muito aquém do que ele imaginava ter.
 Espera-se agora que ele entenda que caso queira se meter a sair candidato com vistas a governar Mato Grosso poderá levar uma surra ainda maior em termos de sufrágios, e dessa feita, José Riva, apresenta-se, notadamente, como a maior liderança política de Mato Grosso. Se duvidarem os aliados de Taques, é só tentarem enfrentar Riva, claro, se ele resolver entrar no embate eleitoral.
  O Senador Pedro Taques (PDT MT), por suposto imaginou que uma eleição para a presidência do Senado, seria a mesma coisa que a sua em Mato Grosso, que até hoje ainda surpreende grande parte da população, que se pergunta como pode Taques ter sido eleito Senador da República, de onde teria ele adquirido o recurso necessário para fazer frente ao pleito que se sabe é caro, e, além disso, o candidato precisa ser alguém com muita intimidade com a política.
O que o currículo do senhor Pedro Taques tinha a oferecer aos eleitores de Mato Grosso e quais suas propostas de trabalho para representar o povo mato-grossense na mais importante corte legislativa do país? O fato de ter sido Procurador da República, e ter se notabilizado por ser um dos responsáveis (presumo que tenha sido), pelo desmanche do império do Comendador João Arcanjo Ribeiro na área da contravenção (jogo do bicho) em Mato Grosso, que continua na ativa, portanto não acabou ainda, esse fato em si só, não justifica a vitória do senhor Taques para o Senado. Digo que não justificou, até mesmo porque, até agora ele não produziu no Senado qualquer benefício palpável para Mato Grosso ou para o Brasil que pudesse lhe credenciar para ser Presidente daquela Corte Legislativa.
Como se pode perceber o que o senhor Pedro Taques imaginou, é que, supostamente no Senado da República iria acontecer o mesmo “milagre” que aconteceu em Mato Grosso quando disputou a eleição e saiu daqui se achando o próprio cara, quem sabe aquele da música interpretada por Roberto Carlos na Novela Salve Jorge.
Agora está devidamente comprovado que “o cara” é outro senador que atende pelo nome de Renan Calheiros, eleito pelo povo das Alagoas, que obteve 56 votos de um total de 81. Seja como for, é necessário dizer que o Senador Pedro Taques conseguiu um resultado até de certa forma surpreendente, vez que, senadores da importância de José Agripino do Rio Grande Norte, Cristovam Buarque do Distrito Federal, e até Pedro Simon do Rio Grande do Sul, falaram da tribuna declarando seus votos em favor do Senador calouro do PDT de Mato Grosso. Pedro Taques, aliás, mostrou que a sua disputa pela Presidência do Senado brasileiro desta feita, foi semelhante ao mesmo pleito da eleição passada, quando outro empolgado senador novato, resolveu peitar José Sarney. Como agora o final da apuração dos votos não poderia deixar de ser, foi um grande fiasco, ambos os senadores novatos, já devem ter percebido que a estória de Davi e Golias pode ser uma espécie de invenção para alimentar o egocentrismo, falta de desconfiômetro, excesso de arrogância e ausência de medo de apanhar.
Ôpa já ia esquecendo: devo acrescentar que o discurso proferido pelo senador de Mato Grosso antes da votação, já de saída demonstrava que ele tinha a certeza do tamanho da surra que iria levar, em que pese as rebuscas nos livros de história, de onde o parlamentar encontrou os dados para ilustrar a peça da sua vigorosa oratória, só que isso não surtiu o efeito que o orador desejava. Seja como for ficou a lição. Pois não é?       
 
Ivaldo Lúcio
           


Fonte: Da Redação



Compartilhe essa notícia



Comentários ( 0 )

Notícia sem comentários.
Faça seu comentário agora.
 

Site Lucio Dia e Noiter já teve 1067773 Acessos
Sua empresa ainda não tem site? clique aqui
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<