Cuiabá MT, 14 de Dezembro de 2018 - São
 

Cidade
  Mato Grosso
  Brasil
  Sociaedade
  Curiosidade
  Polícia
  Política
  Justiça
  Variedades
  Esporte
  Coluna
  Opinião
  Artigo

Newsletter
Nome:
<

Email:
<
<
<
<
<
<
<

Parcerias
<
<
<
<
<
<
<
<
<

Denúncias
<
<
<
<
<
<
<
<

<
<
<
<
<
<
<
<

<
<
<
<
<
<
<
<

<
<
<
<
<
<
<
<

  MAURO MENDES É MENTIROSO!  
  25/10/2012 - 18:40  
 MAURO MENDES É MENTIROSO! FICOU MILIONARIO À CUSTA DE TRAPAÇAS. DOCUMENTOS DO CREA/MT PROVAM. 

MENDES ESTÁ TENTANDO SE PASSAR PERANTE O ELEITORADO E A OPINIÃO PÚBLICA, POR ARAUTO DA MORALIDADE PÚBLICA. PODE? Não pode. E não pode por que sua história de vida é pontilhada de ações que comprovam que para atingir seus objetivos ele passa por cima de qualquer regra ética, legal, ou moral. Foi assim quando Vice-Presidente do CREA/MT, e supostamente seria assim na eventualidade do eleitorado acreditar nas suas ridículas pregações. O que o candidato em tela pretende é aumentar sua fortuna para manter o status de grande empreendedor, mesmo que seja espoliando tudo e todos que gravitam em sua órbita.
Para ser  prefeito de Cuiabá o cidadão precisa ter muito mais do que
dinheiro, é imperiosamente necessário que tenha como meta administrativa o respeito pelo Estado, enquanto instituição pública, da população que o habita, e paga impostos para mantê-lo forte e caminhando em direção ao progresso.
O povo mato-grossense alimenta a esperança de viver feliz, contando com um bom padrão de educação, saúde segurança.
O senhor Mauro Mendes pode
apresentar os requisitos necessário para se tornar prefeito de Cuiabá?
Os documentos que temos em mãos dizem que não.
Para melhor esclarecimento do que estamos dizendo aqui, vamos fac-similar alguns desses documentos (só alguns), pois seria necessário editar um livro do tamanho da Bíblia Sagrada para mostrar todo o elenco de trapaças perpetradas pelo candidato em tela.


Vamos aos fatos.


Só mais uma coisa:


A história do senhor Mauro Mendes, enquanto Vice Presidente do CREA/MT é um mar de lama. Mato Grosso e seu povo não podem ser governados por gente assim, com um perfil emporcalhado por ações nefastas.
Obs.: Qualquer insinuação ou semelhança com o referido personagem, enquanto chefe de família, é mera coincidência, só estamos questionando o candidato em tela quando tenta se passar por angelical defensor das causas sociais e públicas. Estamos entendidos?


VEJAM AS PROVAS DOCUMENTAIS. ESTÁ TUDO AQUI ANEXO À MATÉRIA E NÃO OBEDECE UM ROTEIRO CRONOLOGICO.


Mauro, prefeito? O sangue de Cristo tem poder! Cuiabá e sua gente não merecem um prefeito golpista e aproveitador. O homem que se apresenta como salvador da “pátria” não passa de um vivaldino, travestido de angelical cidadão, ele está isso sim, tentando ludibriar coletivamente a boa fé do povo. Pois não é?
Estes são registros da verdade sobre o Engenheiro Eletricista, Mauro Mendes Ferreira, os quais devem ser levados ao conhecimento da população mato-grossense. Trata-se do seu passado, que é totalmente diferente da pessoa que tenta passar aos eleitores nas suas entrevistas, discursos e propaganda eleitoral.
Nestes registros os leitores tomarão conhecimento, e poderão entender porque o Engenheiro Eletricista Mauro Mendes Ferreira, nunca falou e nem colocou em seu
currículo que foi Vice-Presidente do CREA/MT.
Qual foi o motivo que o mesmo, somente colocou a cara na política depois de 16 (dezesseis) anos do episódio acontecido no CREA/MT, e como foi que iniciou o acúmulo da fortuna que possui hoje?
DOC. 01) - Em 1989, o Engenheiro Mauro Mendes era conselheiro do CREA/MT, onde seu amigo e companheiro de Partido, Geólogo Arnaldo do Nascimento Vieira (candidato à Vice-Prefeito na chapa de Gilney Viana), era o Presidente do CREA-MT.
Através do memorando Nº 124/SEC/89, o conselheiro Mauro Mendes especificou a compra imediata para o CREA/MT de um Micro-Computador e uma impressora (Doc. 01). Mauro Mendes era membro da Comissão de Compras e Contas do CREA/MT e pressionou a Comissão de Licitação para mudar a decisão da opção da aquisição do Computador que foi ofertado pela Empresa Maxsistem Informática Ltda. e colocar como vencedora o Computador ofertado pela Proceda, Tecnologia S/A (ele mesmo datilografou o parecer da Comissão de Compras e Contas) (Doc.
DOC.02) - A comissão fez um relatório de esclarecimento da mudança do parecer às fls. 74 a 78, e na mesma folha 78, o Engº Mauro Mendes fez o parecer da Comissão de Compras e Contas, e na folha 79 assinou pelo Presidente do CREA-MT, Arnaldo do Nascimento Vieira, mandando para a comissão de Planificação e Orçamento no mesmo dia. No dia 26/05/89, o Presidente aprovou a compra dos equipamentos sem passar pela Reunião Plenária do Conselho (Doc.
DOC. 03) - Então vejamos qual foi o esquema de Mauro Mendes para vender o equipamento para o Conselho: oMauro Mendes possuía uma empresa chamada REDE INFORMÁTICA, juntamente com Pascoal Santulo Netoe o endereço da empresa situava na Rua Manoel Ferreira Mendonça, 223 – Tel. 322.9977 (que era o mesmo da outra sua Empresa, REDE TELECOMUNICAÇÕES LTDA). (Doc.
DOC. 04) - A Rede Informática era representante da Proceda em Cuiabá, como podemos ver no rodapé da Norma dos Serviços Técnicos de Manutenção de equipamentos, o telefone da Rede Telecomunicações Ltda e Rede Informática – Tel. 322-9977. No remetente do envelope da proposta da Carta convite da Proceda está o nome da Rede Telecomunicação.
Quem assina a Carta Proposta da Proceda é o sócio do Mauro Mendes, Pascoal Santulo Neto (Doc.
DOC.05) - Portanto, o Mauro Mendes era conselheiro do CREA/MT, Membro da Comissão de Compras e Contas, e assim, manipulou a Comissão de Licitação. Sendo proprietário da Empresa Rede Informática, e com a participação do amigo e companheiro Presidente do CREA/MT, Arnaldo do Nascimento Vieira, venderam o Computador para o Conselho, demonstrando nessa transação, um claro e indiscutível CRIME DE PREVARICAÇÃO.
Em 23 de Janeiro de 1992, na Reunião Plenária Ordinária nº 428, entre outros itens constava no Item 07 - Eleição de Diretoria, da Gestão do Presidente Engº Irineu de Araujo.....
O Engº Mauro Mendes articulou, juntamente com o Conselheiro e ex-presidente do CREA/MT, geólogo Arnaldo do Nascimento Vieira. Nomes indicados por ele para compor a Diretoria, onde foram eleitos, Mauro Mendes como Vice-Presidente, 1º Secretário, Marco Antônio Araujo Pinto, indicado por Mauro Mendes, 2º Secretário, geólogo Jair de Freitas, 1º Tesoureiro, Engº Newton da Silva Arruda, indicado por Jair de Freitas
(Doc. 06) - O Presidente do CREA/MT, Engº Irineu de Araújo viajava constantemente, representando o Conselho nas reuniões nacionais do Processo Constituinte que visava mudança da Lei 5.194/66, que rege o sistema CONFEA-CREA-MÚTUA, e reuniões internacionais do MERCOSUL. Quem assumia a Presidência do CREA/MT era o Vice-Presidente, Mauro Mendes, que também possuía a atribuição regimental de coordenar a fiscalização do CREA/MT.
Foi então, que o Presidente começou a ter problemas administrativos com essa diretoria, pois tudo que o Presidente pretendia implantar no CREA/MT, quando o Presidente colocava nas reuniões de Diretoria não era aprovado ou impedido de implantar. Os Chefes dos Departamentos do CREA/MT, nos retornos das viagens do Presidente vinham reclamar dos diretores que não cumpriam as suas atribuições regimentais e atrapalhavam o andamento administrativo do CREA/MT.
Os Chefes dos Departamentos Administrativos e do Departamento Financeiros informou que estava acontecendo algo estranho dentro do Conselho porque todas as medidas que a Presidência passava por telefone aos chefes de Departamentos tomarem para detectar irregularidades, como num “passe de mágica”, a pista se desfazia.
O Mauro Mendes e outros diretores, com exceção do 2º Tesoureiro, Engº Domingos Iglesias Filho, em reunião de diretoria foram contra e não aprovaram a implantação no CREA/MT de um informativo à população, alegando jogar dinheiro fora. Foram contra a implantação de uma auditoria externa no CREA/MT, e também foram contra pagar ao SEBRAE-MT uma auditoria para melhorar a parte administrativa.
O Presidente do CREA/MT, Engº Irineu de Araujo passou a informar, via telefone, aos chefes de Departamento que iria solicitar ao Plenário do CRE/MT a contratação de auditoria interna e externa, desde o mandato do Presidente Arnaldo do Nascimento Vieira até o seu mandato, ou seja, de 1988 até 1992.
O SEBRAE/MT, através de uma cortesia do seu Presidente, José Guilherme, mandou um técnico efetuar um diagnóstico no CREA/MT e apontou as falhas administrativas que deveriam ser corrigidas.
Como o Engº Mauro Mendes era o Vice-Presidente e ocupava a mesa do Presidente nas suas ausências, sendo que aquele possuía uma Empresa de Telecomunicações, e devido às estranhas interferências no aparelho telefônico da Presidência foi solicitado ao Presidente da Telemat, Engº Waldemar Dias Rosa, através do Of. 119/PRES/92, uma vistoria nos aparelhos do CREA-MT.
(Doc. 07) - Através da CT. 10000/220/92 do dia 21 de Setembro de 1992, a TELEMAT informou que fizeram vistorias nos terminais telefônicos do CREA/MT, e não foi encontrada nenhuma anomalia. No entanto salientava que deveria providenciar análise técnica do sistema KS, instalado nesse conselho, visto haver sido detectado que o mesmo não possuía equipamento de sigilo entre ramais
(Doc. 08). O Presidente do CREA/MT, Engº Irineu de Araújo contratou a Empresa TELEVOX Telecomunicações para uma inspeção técnica no sistema KS e detectou que o aparelho KS 512, marca Telequipo ramal 01 (sala do Presidente), encontrava-se com a unidade PCI/sigilo SIGM, desligada tecnicamente ou por opção, sendo que a mesma tinha sido testada e verificada, o seu funcionamento.
(Doc. 09) - Isso justifica a pergunta que o conselheiro, e Engº. Mecânico, José Duarte Araújo fez ao Presidente: “o que o carro do CREA/MT fazia todo dia, após o expediente estacionado na frente do escritório do conselheiro e ex-presidente, Arnaldo do Nascimento Vieira” O Telefone da Presidência estava sem sigilo e a Secretária Executiva (demitida por justa causa) ouvia as conversas do Presidente e ia relatar no final do expediente ao Engº Mauro Mendes e o ex-presidente, Arnaldo.
Quando Mauro Mendes e Arnaldo souberam do pedido ao Plenário da Auditoria externa desde 1988 até 1992, supõe que os mesmo traçaram um plano para pegar os processos que possuíam irregularidades na gestão do Arnaldo e outros que pudessem adulterar. Esse plano foi colocado em prática no dia 23/08/92, no DOMINGO, enquanto o Presidente estava em reunião com os profissionais de todos os municípios de Mato Grosso, no auditório da EMATER (hoje auditório da SEDUC), discutindo proposta do Estado, a ser levada ao Congresso Constituinte da mudança da Lei 5.194/66 no Rio Grande do Sul.
O Engº Mauro Mendes procurou o funcionário Luiz Carlos da Costa, técnico de contabilidade do CREA/MT, em sua residência no dia 23/08/92, DOMINGO, e determinou na qualidade de Vice-Presidente, que o referido funcionário fosse até a sede do CREA/MT e lhe entregasse os processos listados por ele da gestão de Arnaldo e da gestão do Irineu, compreendendo 26 (vinte e seis) Processos que continham mais de 500 (quinhentos) documentos.
(Doc. 10) - Na segunda-feira, no dia 24/08/92, a Secretária Executiva do CREA/MT, deixou recado ao Presidente, de que não iria trabalhar na sede do CREA/MT nesse dia porque estaria no auditório da EMATER cuidando da limpeza e retirada dos materiais do CREA-MT da reunião do domingo.
O Presidente Irineu tinha que participar de uma reunião dos Presidentes dos CREA’S em Fortaleza na terça-feira, e na parte da tarde da segunda-feira mandou pegar o seu Processo de Diárias. Foi quando o funcionário Luiz Carlos, chefe do Departamento Financeiro falou que o Processo estava em poder do Mauro Mendes, contando o que tinha ocorrido no domingo e que a Secretária Executiva estava reunida com Mauro Mendes e Arnaldo, que ela mandou o motorista pegar mais cinco Processos naquela tarde e levar para eles.
Diante da situação, o Presidente Irineu de Araújo tomou as seguintes providências imediatas:
1ª – Mandou um fax para Fortaleza comunicando o motivo de sua ausência na Reunião do Colégio dos Presidentes de CREA’S;
2ª – Exonerou o funcionário Luiz Carlos da chefia do Departamento Financeiro;
3ª – Exonerou a Secretária Executiva e determinou ao Departamento Jurídico a abertura de um Processo Administrativo para apurar as irregularidades da funcionária e publicar a comissão no Diário Oficial do Estado, dando o prazo de 30 (trinta) dias para conclusão do inquérito administrativo.
4ª – Expediu Ofício ao Engº Mauro Mendes, Vice-Presidente, dando o prazo de 24 (vinte e quatro) horas para devolução dos Processos subtraídos do CREA/MT que estava em seu poder.
5ª – Convocou uma Reunião Plenária Extraordinária para o dia 25/08/92, onde foram convocados todos os conselheiros, inclusive os diretores, autores da subtração dos documentos do CREA.
Não recebendo de volta os Processos subtraídos do CREA/MT no prazo estabelecido no ofício, entrou com uma Medida Cautelar de Busca e Apreensão dos Processos contra Mauro Mendes e outros diretores. Como Mauro Mendes e Arnaldo do Nascimento Vieira ficaram encurralados com as atitudes imediatas do Presidente, viram uma possibilidade de destituir o Presidente na Reunião Plenária Extraordinária, onde Mauro Mendes como Vice-Presidente assumiria o Cargo de Presidente e reverteria a situação em seu favor. Formularam uma denúncia contra o Presidente Irineu e os diretores não tiveram coragem de estar presente na reunião, mandando o conselheiro e ex-presidente, Arnaldo do Nascimento Vieira que leu a denúncia na Reunião Plenária Extraordinária.
A reação dos conselheiros foi pela destituição do Vice-Presidente, Mauro Mendes e os demais diretores pela atitude de subtrair documentos do CREA/MT. No DOMINGO, e como foi dito por um conselheiro, e escrito na Ata que “quem age na calada da noite, porque DOMINGO não tem ninguém na rua é LADRÃO, Notas foram falsificadas e Processos adulterados” (o grifo é nosso).
Foi eleita uma nova Diretoria para dar prosseguimento na parte administrativa do CREA/MT e contratar a Auditoria interna e externa, a partir de 1988 até 1992, aprovada pela Reunião Plenária. O Engº Mauro Mendes não se conformou com a decisão do Conselho e foi para dentro do CREA/MT praticar vandalismo, desligando o sistema de comunicação do CREA/M, praticando terrorismo contra os funcionários.
O Presidente entrou em contato com a Polícia Federal e ela informou que esse era um problema interno do conselho e que eles só poderiam intervir somente se houvesse morte.
No dia 27 de Agosto de 1992, o Presidente Irineu entrou na Polícia Federal, requerendo a Instauração do Competente Inquérito Policial contra Mauro Mendes Ferreira
(Doc. 12) - No desespero, o Mauro Mendes, no dia 28 de Agosto de 1992, portanto um dia após a representação criminal da instauração do Competente Inquérito Policial, entrou com uma denúncia contra o Engº Irineu de Araújo, Presidente do CREA/MT
(Doc.13) - O Presidente do CREA/MT publicou nos Jornais de maiores circulação, O Estado de Mato Grosso e o Jornal A Gazeta esclarecimento à população
(Doc. 14) - No dia 03 de Setembro de 1992, entrou com o Processo nº 006535 – Mandado de Segurança na Justiça Federal contra o Presidente Irineu de Araujo para retornar ao Cargo de Vice-Presidente, que lhe foi tirado pela Reunião Plenária nº 086. O pedido foi negado (o grifo é nosso)
(Doc. 15) - Através do Ofício nº 653/CART do dia 21 de Setembro de 1992, o Mauro Mendes foi convocado para depor na Polícia Federal no dia 28/09/92 às 08h30min
(Doc. 16) - Em Setembro de 1992, o Engº Irineu de Araújo foi procurado no CREA/MT pelo Engº Eletricista, José Simões Ribeiro, proprietário da Empresa J. SIMÕES ENGENHARIA LTDA, registrada no CREA-MT em 05/03/92
(Doc. 17) - Contou o que o Mauro Mendes fez, utilizando do Cargo de Vice-Presidente do CREA-MT para desclassificar a Empresa J. SIMÕES ENGENHARIA LTDA, que ganhou a concorrência na TELEMAT, onde a Empresa REDE TELECOMUNICAÇÕES LTDA do Vice-Presidente do CREA/MT Mauro Mendes, ficou em 2º lugar. Mais uma vez o Engº Mauro Mendes utilizando do seu cargo no CREA/MT, e devido à atribuição que o cargo lhe conferia de Coordenar a Fiscalização do CREA/MT, determinou que um fiscal fosse até o endereço onde a J. Simões declarou que funcionava a empresa e elaborasse um relatório de que a Empresa não era estabelecida no local porque o prédio era residencial.
De posse desse relatório articulou junto à Câmara de Engenharia Civil para cassar o Registro da J. Simões Engenharia Ltda e emitiu uma Certidão, sem o conhecimento da Presidência, que foi assinada pelo 1º Secretário, Marco Antônio Araujo Pinto e enviada para Telemat que desclassificou a J. Simões Engenharia Ltda. Mauro Mendes, que estava em segundo lugar, com sua Empresa REDE TELECOMUNICAÇÃO LTDA pegou a Obra, cometendo assim, mais uma vez CRIME DE PREVARICAÇÃO
(Doc. 18) - O Engenheiro Eletricista, Mauro Mendes Ferreira sempre foi arrogante, inconfiável, egocêntrico, “traíra” e de caráter duvidoso. Todos aqueles que contrariam os seus interesses, ele usa de todos os meios escusos e não éticos para liquidar o seu desafeto.
Todos os documentos aqui exibidos são públicos e podem ser encontrados nos arquivos do CREA/MT, no Processo da Polícia Federal e no CONFEA.

OBS.: TEMOS TODA A DOCUMENBTAÇÃO EM MÃOS. SE ALGUEM QUIZER VER É SÓ NOS PROCURAR. OS DOCUMENTOS SÃO PÚBLICOS.

Ivaldo Lúcio é jornalista em Mato Grosso e editor dessa publicação.



Fonte: Ivaldo Lúcio



Compartilhe essa notícia



Comentários ( 0 )

Notícia sem comentários.
Faça seu comentário agora.
 

Site Lucio Dia e Noiter já teve 1067791 Acessos
Sua empresa ainda não tem site? clique aqui
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<