Cuiabá MT, 04 de Dezembro de 2020 - São
 

Cidade
  Mato Grosso
  Brasil
  Sociaedade
  Curiosidade
  Polícia
  Política
  Justiça
  Variedades
  Esporte
  Coluna
  Opinião
  Artigo

Newsletter
Nome:
<

Email:
<
<
<
<
<
<
<

Parcerias
<
<
<
<
<
<
<
<
<

Denúncias
<
<
<
<
<
<
<
<

<
<
<
<
<
<
<
<

<
<
<
<
<
<
<
<

<
<
<
<
<
<
<
<

  RIVA É A MAIOR LIDERANÇA POLÍTICA DE MATO GROSSO!  
  10/09/2012 - 16:12  
 Não há duvida que na atualidade uma das mais expressivas lideranças políticas do Estado de Mato Grosso, é o Deputado José Geraldo Riva.  

Não há duvida que na atualidade uma das mais expressivas lideranças políticas do Estado de Mato Grosso, é o Deputado José Geraldo Riva.

Seus périplos pela presidência do Poder Legislativo completaram meia dúzia de vezes (marca que até aqui nem outro deputado conseguiu atingir), e é bom lembrar ainda que, Riva já ocupou a Primeira Secretaria do Parlamento, por várias vezes igualmente.
Com qual outro político mato-grossense poderíamos comparar a indiscutível liderança do personagem em tela? Ate onde se sabe na Assembléia Legislativa de Mato Grosso, ninguém nunca demonstrou tanto carisma e liderança.  
Ao dizer isso, vale lembrar que não estamos aqui querendo bajular o citado deputado, ou querendo subestimar os demais senhores parlamentares, porém é imperioso dizer, que o Zé Riva é, indiscutivelmente o mais influente político de Mato Grosso na atualidade.
 Portanto, não é de se estranhar que o referido senhor consiga exercer o fascínio que demonstra junto aos demais companheiros de parlamento.
 Não fosse assim, certamente Riva não conseguiria aglutinar à sua volta a quase unanimidade da preferência dos seus pares. Em que pese um minguado voto (que não fez falta) para reconduzi-lo, a Presidência da casa.
 O voto que lhe foi negado para completar a unanimidade pode ter sido quem sabe, por desavença política local, ou até inveja.
Pode ser uma coisa ou outra, o certo é que na ocasião em que Riva se despedir do Parlamento indo se dedicar à sua vida privada ou a outro tipo de atividade, o Poder Legislativo vai passar um bom tempo por um período de apagão e sua luminosidade não será mais a mesma após seu afastamento da Assembléia.
 Estamos dizendo isso porque é sabido que na Assembléia de Mato Grosso existem deputados que não consegue demonstra um desempenho capaz de justificar o salário que recebem mensalmente, tão pouco os privilégios que lhes são conferidos no desempenho da alta função que exercem.
 O apetite pelo desempenho político de alguns deles é pífio, e não há como desmentir essa afirmação.
Diante do enorme elenco de necessidades que ainda travam de forma expressiva o desenvolvimento sócio-econômico do mais importante Estado do Brasil (líder absoluto em produção de alimentos na região Centro Oeste), seria necessário que alem de Riva, outros deputados trabalhassem um pouco mais em função das soluções dos problemas existentes e inescondíveis. É oportuno dar ênfase no que já dissemos: falar ainda que se o Parlamento de Mato Grosso pudesse contar com uma parcela maior dos seus deputados trabalhando no sentido de dinamizar as políticas públicas como faz José Riva, não há duvida que Mato Grosso nessa altura dos acontecimentos já estaria muito além do aquém, (neologia nossa), que se encontra no momento.
      Nossas rodovias na sua grande maioria estão danificadas (algumas praticamente imprestáveis), e isso precisa de uma atuação política de peso junto ao poder central.
Em que pese uma parcela da população ser penalizada pelo descaso político que parece não ter noção do enorme crescimento de Mato Grosso, especialmente nos setores produtivos que poderia ter avançado muito mais se tivesse uma infra-estrutura capaz de fazer escoar as enormes safras que são produzidas de forma constante e crescente ano a ano.
      Recentemente fizemos um périplo de aproximadamente 1.500 km pelas estradas que demandam as principais cidades da Região Norte do Estado.
O que podemos observar é que Mato Grosso tem uma enorme carência de liderança política capaz de fazer valer as reivindicações nos vários segmentos dos setores produtivos, poucos são aqueles que demonstram preocupação com tais questões.
Isso é necessário mudar, mas como se pode perceber, essa é uma questão que só o eleitorado pode solucionar escolhendo melhor seus representantes nas próximas eleições.
Como já se sabe nas próximas eleições, supostamente Riva não mais será candidato a deputado estadual (ele mesmo já disse isso em entrevista a uma rádio do interior). E ai, pergunto eu: quem poderia substituir Riva no parlamento?
Se Riva, efetivamente abandonar a política para cuidar da sua vida pessoal Mato Grosso vai perder muito, o povo que habita o interior vai ficar órfão de uma grande liderança política, e até o Ministério Público vai perder significativamente um pouco do seu brilho, pois é certo que não terá mais a chance de patrocinar os shows pirotécnicos que temos assistido vez por outra. Êpa! Já esquecendo de incluir também, o cidadão Humberto Mello Bosaipo, que tanto trabalhou, prestou a Mato Grosso e sua gente, que junto com Riva se transformaram em alvos preferenciais das ações dos arautos da moralidade pública. Lamentável!      
      Pois bem, é partindo desse raciocínio, que trata da falta de lideranças políticas, que a figura do Deputado José Riva se projeta no cenário estadual, vez que, é voz corrente da população que vive no interior dizer assim: “se não fosse o deputado Zé Riva nem isso que ai está, teríamos aqui”.
      Ouvimos a mesma queixa por todo o percurso que fizemos. Riva é lembrado até por humildes donas de casa que vive em sítios e pequenas chácaras ao longo e à margem das rodovias por onde passamos.
      Não é sem justificado motivo que o nome de Riva vem sendo lembrado no sentido de disputar o governo do estado nas próximas eleições.
Aos poucos o parlamento vai perdendo lideranças importantes, a exemplo do ex-deputado Sérgio Ricardo, que nesse momento poderia estar disputando a prefeitura da capital mais preferiu se aposentar precocemente.
 Lamentavelmente Sérgio Ricardo resolveu sair do cenário político para assumir o cargo de conselheiro do Tribunal de Contas. Sua saída do cenário político partidário lhe permite uma vida muito mais tranqüila do que teria se continuasse no exercício de qualquer outro cargo público. Em todos os anos desde que Sergio Ricardo entrou na política até aqui, ninguém pode dizer que ele esteve envolvido em qualquer tipo de falcatrua, tenha sido na Câmara Municipal, enquanto desempenhou seu mandato de vereador, ou na seqüência, em que foi eleito deputado repetindo sempre crescente votação e manifestação de apoio e carinho da sociedade cuiabana e mato-grossense. 
Que ninguém venha se manifestar nos alcunhando de bajulador, parcial, ou coisa semelhante pelo fato de estarmos aqui manifestando opinião favorável aos citados políticos.
Aqueles que não fazem parte do contingente de eleitores dos três cidadãos aqui citados, que não se alinham nas fileiras de eleitores conscientes, que votem em quem quiser, mas façam isso certo de que estão votando contra o desenvolvimento.
 Mato Grosso depende de políticos comprometidos com o bem estar da população. Esse bem estar só será possível na medida exata em que possamos colocar nos cargos vitais da administração do Estado, pessoas que possam demonstrar um desempenho compatível com as inescondiveis carências e deficiências das regiões que representam.
 Aqueles que são partidários da continuidade do descaso com a coisa pública e com o povo que habita e trabalha duro para o bem geral de todos, esses não merecem a consideração que têm dispensado repetidas vezes a certos políticos meia colher. O eleitor precisa entender isso. Chega!  Pois não é?   
 

 



Fonte: Ivaldo Lúcio



Compartilhe essa notícia



Comentários ( 0 )

Notícia sem comentários.
Faça seu comentário agora.
 

Site Lucio Dia e Noiter já teve 1548438 Acessos
Sua empresa ainda não tem site? clique aqui
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<