Cuiabá MT, 22 de Novembro de 2019 - São
 

Cidade
  Mato Grosso
  Brasil
  Sociaedade
  Curiosidade
  Polícia
  Política
  Justiça
  Variedades
  Esporte
  Coluna
  Opinião
  Artigo

Newsletter
Nome:
<

Email:
<
<
<
<
<
<
<

Parcerias
<
<
<
<
<
<
<
<
<

Denúncias
<
<
<
<
<
<
<
<

<
<
<
<
<
<
<
<

<
<
<
<
<
<
<
<

<
<
<
<
<
<
<
<

  Comunistas cubanos falam aos comunistas do mundo  
  08/01/2012 - 10:14  
 Reunir-nos novamente com o esforço comum para coordenar nossa luta já é uma conquista indiscutível para aqueles que como nós têm conscientemente assumido a responsabilidade de ser a voz de todos os povos. 

Reunir-nos novamente com o esforço comum para coordenar nossa luta já é uma conquista indiscutível para aqueles que como nós têm conscientemente assumido a responsabilidade de ser a voz de todos os povos. Estar aqui hoje é um novo desafio na luta contra aqueles que, dia após dia, tentam suprimir e sufocar o grito de liberdade em muitas partes do mundo.

Por Partido Comunista de Cuba

O propósito que nos convoca tem uma expressão de urgência, em face de uma perspectiva cada vez mais complexa e perigosa para a humanidade.

Antes de tudo, gostaríamos de expressar nossa gratidão ao Partido Comunista da Grécia (KKE) pelo esforço de organizar e garantir essa reunião, reconhecendo a difícil situação em que teve que trabalhar. Este evento tem um significado especial pelo fato de que ocorre em um cenário que testemunhou lutas importantes do povo grego durante este ano do, enfrentando com coragem e determinação as cruéis e injustas estratégias capitalistas. O papel mobilizador e de coordenação desempenhado pelo KKE tem sido crucial neste processo. Expressamos nossa solidariedade militante com o partido e o povo combativo da Grécia.

Esperamos sinceramente que nossas discussões irão consolidar em cada país o papel dos partidos aqui presentes e oferecerão alternativas para enfrentar, de forma unida, o impacto da crise atual e o insustentável sistema neoliberal.

O imperialismo está mostrando as suas mais profundas fraquezas e contradições e a crise está expressando-se como um fenômeno estrutural que não pode ser superado sem um impacto dramático no próprio sistema capitalista.

Os governos têm implementado, ignorando o clamor popular, pacotes de emergência para resgatar o sistema bancário. Enormes quantidades de recursos dos impostos pagos pelos cidadãos têm sido usadas para cobrir o déficit de liquidez dos grandes bancos, como resultado das políticas irresponsáveis e especulativas dessas instituições a serviço das classes exploradoras. Eles implementaram as chamadas "medidas de austeridade", sob o pretexto de que são necessárias para cobrir o déficit do Estado, algo que é agravado pelo resgate dos bancos. E, como resultado de tudo isso, mais uma vez, todo o fardo da crise é descarregado sobre os ombros dos trabalhadores e cidadãos comuns.

Por outro lado, a desaceleração repentina do comércio mundial provocou uma contração econômica, resultando em um aumento da pobreza e do desemprego. As mudanças climáticas, os desastres naturais e a fraqueza do dólar provocaram um aumento vertiginoso dos preços do petróleo e dos alimentos, arrastando milhões de pessoas à fome e à marginalização. Há um aumento dos conflitos pelo controle dos recursos naturais, o que conduz perigosamente às guerras que ameaçam a paz mundial e, portanto, a humanidade.

A crise do modelo neoliberal imposto durante a década de 1990 pelo chamado Consenso de Washington na América Latina e no Caribe provocou o surgimento de vários governos democráticos e levantes populares, bem como a proliferação de movimentos sociais militantes, entre os quais temos que destacar os dos povos indígenas, dos estudantes, dos trabalhadores e pessoas desempregadas.
Note-se que durante o reinado absoluto do neoliberalismo e do mundo unipolar na década de 1990, as palavras "socialismo" e "imperialismo" quase desapareceram da linguagem de quase todos os partidos e líderes de centro-esquerda. Um dos méritos de Chávez foi a definição, a partir de Janeiro de 2004 e início de 2005, do curso anti-imperialista e socialista da Revolução Bolivariana.

Posteriormente, e com base nas novas realidades desencadeadas pelos processos nacionalistas e radicais na Bolívia e no Equador e do debate, neste contexto, sobre o socialismo do século 21, também promovido por Chávez, a questão do socialismo começou a ser levantada novamente entre um certo número de partidos e líderes.

Isto nos obriga a intensificar, fortalecer e aprimorar ao máximo nossas habilidades e pontos fortes a fim de tornar mais sistemática, eficiente e ampla a nossa influência e solidariedade com esses processos em favor das lutas anti-imperialistas e anti-capitalistas e todos os projetos e conquistas de caráter nacional e popular que abrem o caminho para este curso histórico.

Hoje, que os poderosos Estados ocidentais e, especificamente, os da União Europeia estão enfrentando uma grave crise sistêmica, os países da América Latina e Caribe, com a recente fundação da Comunidade dos Estados Latino-Americano e do Caribe (Celac) focam suas tentativas de preservar a soberania , independência e desenvolver a cooperação e solidariedade, independentemente de diferenças entre países fracos ou poderosos, cooperação que não se baseia na competição e no desequilíbrio. Este é o início de uma fase promissora e estratégica para a região.

Cuba pertence ao chamado Terceiro Mundo e o impacto da crise no nosso país é mais forte se tivermos em conta que o nosso desenvolvimento econômico e social tem sido afetado por décadas pelo bloqueio econômico, comercial e financeiro mais longo e mais injusto da história.

O dano econômico direto causado ao povo cubano pela aplicação do bloqueio ultrapassa 975 bilhões de dólares. Por trás do ato genocida do imperialismo está o claro objetivo de derrubar o governo revolucionário e destruir a ordem constitucional que o nosso povo soberanamente defende.

Apesar da falsa imagem de flexibilidade que o governo dos EUA tenta apresentar no presente, o bloqueio permanece intacto, apesar da rejeição e condenação unânime da comunidade internacional que, de maneira sistemática e firme, exigiu o fim desta injustiça.

A tentativa do imperialismo para isolar-nos choca-se diariamente contra o apoio categórico e esmagador à Revolução Cubana e à resistência heróica de um povo que se recusa a ceder seus direitos soberanos.

Em defesa da soberania que temos hoje, Cuba está atualizando seu modelo econômico e está implementando mudanças que nos permitirão continuar avançando no desenvolvimento do socialismo.

As transformações em Cuba começaram em 1959 e nunca pararam. Nós vamos mudar resolutamente tudo que tem que ser mudado, mas isso será feito dentro da Revolução e do socialismo. Foi por causa dessa capacidade de renovação que temos sido capazes de resistir às tentativas mais hostis e agressivas para destruir nosso país.

Nosso grande problema é alcançar a eficiência econômica e sermos capazes de enfrentar os desafios de hoje e de amanhã. Portanto, o Partido Comunista de Cuba está a implementar um processo de atualização econômica. O modelo proposto foi aprovado pela discussão com a população, e foi aprovado pelo 6 º Congresso do Partido Comunista de Cuba. Este não é um processo acabado, mas é aquele em que estamos continuamente trabalhando para melhorá-lo.

Para o socialismo cubano não é apenas a alternativa mais justa e sustentável, é, acima de tudo, a garantia de nossa segurança nacional, a nossa independência e nossa identidade.

O que não vai mudar em Cuba são as conquistas que fizemos com sacrifício e dedicação, o compromisso de manter a solidariedade com nossos irmãos do Terceiro Mundo e com outros povos, a igualdade de oportunidades e a justiça social.

Vamos garantir o direito ao emprego, a uma reforma digna para a segurança social. Vamos continuar a ver o ser humano como o primeiro e mais importante fator e vamos continuar a confiar na sua capacidade ilimitada de transformar a história. Vamos continuar a acreditar nos valores humanos e vamos continuar a acompanhar todos aqueles que, assim como nós, lutam por um mundo mais justo e equitativo.

Aproveitamos esta oportunidade para expressar nossa gratidão pelas inúmeras expressões de solidariedade para com a justa causa do nosso povo contra o bloqueio irracional imposto pelos Estados Unidos e em favor da libertação dos cinco cubanos. Um deles ficou livre de uma sentença injusta, mas ele não é autorizado a regressar a Cuba para se juntar à sua família, enquanto os outros quatro permanecem sob uma cruel e injusta prisão política devido à corrupção brutal do processo legal e do comportamento ilegal dos EUA governo.

A Revolução de Cuba tem sido capaz de resistir, em primeiro lugar, graças ao empenho do nosso povo e à unidade, e também por causa do apoio incondicional daqueles que confiaram em nós por terem visto Cuba como a razão da sua própria luta. A todos estes irmãos transmitimos a certeza de que não vamos decepcioná-los.

Nós também transmitimos a nossa solidariedade e apoio às estratégias de integração na América Latina; às lutas dos povos da África e do Oriente Médio, lembrando especialmente o sofrimento causado aos povos pela Otan e as agressões dos EUA; e à luta do povo palestino.

O imperialismo reforça a sua fórmula de ameaças, intervenções nos assuntos internos, o incentivo de conflitos e agressões militares, a fim de afirmar a sua vontade e subjugar os povos. É nossa responsabilidade não sermos indiferentes, para denunciar essas ameaças e intervencionismo e exigir que os governos cumpram as suas obrigações para com seus povos e a humanidade.

Como resultado da crise econômica e energética nos principais centros do poder mundial, uma nova divisão geopolítica do mundo está sendo promovida e os povos estão ainda sob alvo de intervenções militares. Este é o "modelo" que estão defendendo como uma opção de intervencionismo militar em qualquer país percebido como um obstáculo aos seus interesses estratégicos. Assim, a luta atual assume novas dimensões.

A ofensiva anticomunista é revitalizada em uma tentativa de silenciar-nos, desacreditar-nos e superar-nos. Será imprescindível a utilização de toda a nossa maturidade ideológica, o nosso sacrifício e, principalmente, a unidade de todos os comunistas a fim de organizar uma estratégia eficaz para enfrentar a hegemonia do imperialismo.

O caminho parece longo e difícil. A única opção para avançar em face dos novos desafios é a unidade na diversidade e a capacidade de compreender a necessidade de multiplicar a solidariedade entre as forças da mudança e do progresso. A história mostra que a vitória só é possível se formos fiéis aos princípios que defendemos e à unidade.

Viva o socialismo!

Intervenção do Partido Comunista de Cuba no 13º Encontro Internacional de Partidos Comunistas e Operários, Atenas, Grécia, de 9 a 11 de dezembro de 2011



Fonte: Por Partido Comunista de Cuba



Compartilhe essa notícia



Comentários ( 0 )

Notícia sem comentários.
Faça seu comentário agora.
 

Site Lucio Dia e Noiter já teve 1299670 Acessos
Sua empresa ainda não tem site? clique aqui
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<
<